Meios de defesa contra os micróbios

microbios

O corpo humano possui defesas naturais externas, como a pele, os pêlos, as mucosas e as lágrimas, que dificultam a entrada de micróbios. Quando os micróbios conseguem ultrapassar as barreiras externas, entram em acção as
defesas internas, como os glóbulos brancos e os anticorpos. Após uma infecção o indivíduo pode tornar-se resistente, porque alguns anticorpos específicos permanecem no sangue a isso chama-se imunidade natural, mesmo assim há que ter cuidados e aprender a evitar os micróbios.
Defesas do organismo no combate aos micróbios

As defesas externas e internas, são as defesas do organismo no combate aos micróbios (linhas de defesas naturais contra infecções e outros). Estas defesas internas e externas representam uma defesa natural contra os virus.

DEFESAS NATURAIS INTERNAS

Quando os micróbios conseguem atravessar as barreiras externas ou penetram directamente através de uma ferida, o nosso organismo desencadeia um conjunto de acções que tentam impedir a infecção, ai entram as defesas naturais internas.

A primeira reacção é a inflamação – a zona infectada fica vermelha, inchada e dolorosa.

Acorre ao local maior quantidade de sangue transportando glóbulos brancos para “combater” os micróbios. Estes glóbulos brancos “apanham” os micróbios, envolvendo-os no seu interior, e destroem-nos. O pus é o resultado desta intensa “batalha” e é formado por bactérias mortas e glóbulos brancos.

Mas nem sempre esta “batalha” é vitoriosa para os glóbulos brancos. Por vezes, alguns micróbios escapam para a corrente sanguínea, produzindo toxinas – substâncias tóxicas para o organismo.

Neste caso, entram em acção outros glóbulos brancos, que fabricam anticorpos – substâncias que são capazes de se unir aos micróbios ou suas toxinas, neutralizando-os.

Os anticorpos são específicos para determinado micróbio ou determinada toxina. Tal como uma chave só serve em determinada fechadura, também o anticorpo só se une com um determinado micróbio ou certa toxina, inactivando-os.

Quando o indivíduo recupera da infecção, os anti- corpos permanecem no sangue durante algum tempo e alguns durante toda a vida, tornando o indivíduo resistente – imunidade natural.

DEFESAS NATURAIS EXTERNAS

Um micróbio patogênico, como, por exemplo, uma bactéria, para tentar penetrar no organismo humanotem de conseguir ultrapassar as barreiras que separam o meio externo do meio interno. A isso chama-se defesas naturais externas.

Pele
Uma das principais funções da pele é evitar a entrada de micróbios.

Pois bem, mas qual tecido é a primeira defesa do corpo contra micróbios?

A pele é a primeira linha de defesa do corpo no combate aos micróbios. A gordura e o suor impedem o desenvolvimento de muitos micróbios, como os fungos.

Os pêlos do nariz, dos ouvidos, das sobrancelhas e das pestanas constituem também uma barreira protectora, ao impedir a invasão do organismo por alguns micróbios.

Por outro lado, a descamação contínua da pele arrasta consigo os micróbios. Durante o banho, as
células mortas soltam-se, levando consigo, por exemplo, as bactérias que tentam penetrar através da pele.

Mucosas
Os revestimentos dos olhos, nariz, brônquios, uretra, vagina, boca e restante tubo digestivo – mucosas – também são uma barreira à entrada dos micróbios. Algumas mucosas, como a que reveste o nariz, produzem um líquido espesso (muco), que destrói e expulsa os micróbios para o exterior. É o caso das secreções nasais.
As lágrimas têm também esta função.

A mucosa do estômago produz o suco gástrico ácido, que impede o desenvolvimento de muitos micróbios.

Defesas do corpo

O corpo incorpora algumas defesas contra a invasão de micróbios patogénicos causando infecção.

  • A Pele. A pele é a primeira linha de defesa uma vez que a maioria dos patógenos não pode entrar pele intacta.
  • Fagócito. Outra linha de defesa é das células fagocitárias, como células dos glóbulos brancos. Estas células agarram e absorvem. Os fagócitos aumento de número no local da infecção.
  • Substâncias imunes. Ainda uma outra linha de defesa é o desenvolvimento do corpo de anticorpos e antitoxinas. Porque os patógenos são substâncias estranhas, o corpo reage e destrói, produzindo organismos imunes. Todos os pacientes vulneráveis a infecção grave ou de doenças infecciosas, particularmente o tétano, deve receber indicado doses profiláticas de antibióticos e de agentes imunizantes.
  • Sistema linfático. O sistema linfático também defende o corpo contra patógenos invasores. Ele age como uma “máquina de lavar roupa” para o corpo. Ele limpa os tecidos do corpo. As glândulas funcionam como filtros e tensões aos invasores.

As feridas lesões, refrigeração, exposição, fadiga e desnutrição tendem em diminuir as defesas do corpo.

Imunidade

Habilidade do corpo para resistir ou eliminar materiais potencialmente prejudiciais estranhas ou células anormais consiste nas seguintes actividades:

  • Defesa contra patógenos invasores (vírus e bactérias)
  • Remoção de células (por exemplo, hemácias de idade) e restos de tecido (por exemplo, de lesão ou doença)
  • Identificação e destruição de células anormais ou mutantes (principal defesa contra o cancro)
  • Rejeição de células estranhas (por exemplo, transplante de órgãos)

Respostas inadequadas:

  • Alergias – resposta a substâncias normalmente inofensivas
  • Doenças auto-imunes

biovida

  • alex martinato

    eu odeio microbios eles são nogentos sabe é muito legal ser saudáveu!.

  • Mandallaarts

    Micróbios são feios, eu quero ter um corpo livre!!!
    Obrigado pela matéria!!!
    Miguel 5 anos

  • roberta

    QUANDO o corpo produz anticorpos e se torna resistente contra uma doença?