chavena de caféDesde há muito tempo que muitas pessoas se perguntam se o café faz bem ou mal, e se ao fazer mal quais os riscos associados ao beber café.

O café tem uma longa história de ser acusado de muitos males, e por isso é questiona-se sobre se o café é bom para a saude. A alegação de que provoca doenças cardiovasculares e cancro é um exemplo. Mas pesquisas sobre café recentes indicam que o café pode não ser tão mau, afinal.

Então o café é bom ou mau?
A melhor resposta talvez seja que para maioria das pessoas os benefícios de saúde compensam os riscos.

O café é mau para a saúde ? Quais as ligacões sobre os males do café?
Estudos recentes em geral não encontraram nenhuma ligação entre o café e um risco aumentado de cancro ou doença cardíaca. Então porque toda esta controvérsia? Estudos anteriores não tem sempre em conta os comportamentos de alto risco, como tabagismo e inactividade física.

O café tem riscos para a saude ? 

No entanto, a investigação parece ter alguns riscos. O Alto consumo de café filtrado é associado com elevações leves nos níveis de colesterol. E outro estudo descobriu que duas ou mais chávenas de café por dia pode aumentar o risco de doença cardíaca em pessoas com uma determinante e bastante comum, a mutação genética que reduz a degradação de cafeína no organismo. Por isso, quanto mais rápido você metabolizar o café mais pode afectar o seu risco para a saúde.

Os estudos mais recentes mostraram também que o café pode trazer benefícios, como protecção contra a doença de Parkinson, diabetes tipo 2 e cancro de fígado. E isso tem um alto teor de antioxidantes. Mas isso não significa que você deva ignorar a velha máxima “Tudo com moderação”.

Embora o café não pode ser muito prejudicial, outras bebidas, como leite e sumo contêm nutrientes que o café não tem. Além disso, mantenha em mente que os acompanhamentos do café, tais como o creme e o açúcar adiciona gordura e calorias na sua dieta. Finalmente, o uso intensivo de cafeína, na ordem de 4-7 chavenas de café por dia, pode causar problemas como nervosismo, ansiedade, irritabilidade e insónias, especialmente em indivíduos susceptíveis.